Top Social

XVII BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO RIO | PARTE III

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Primeiramente gostaria de pedir desculpas pelo atraso dessa postagem - alguns imprevistos acabaram surgindo e foi difícil encontrar tempo para escrevê-la até o fim. Porém, após algumas desventuras, hoje chega ao fim minha trilogia sobre a Bienal do Livro Rio. Foram, de fato, dias incríveis! Mas nada se compara ao dia 05/09, porque, naquele sábado, conheci Leigh Bardugo.

Após enfrentar chuva e frio às 5h30 da manhã, cheguei na fila de entrada e, felizmente, consegui um bom lugar. Não, não pensei que madruguei no portão - 8h20 foi a hora que finalmente cheguei ao local. (As desvantagens de morar longe...) 

Quando entrei no Pavilhão Laranja, em meio a uma confusão muito menor do que estava esperando, fui direto ao Pavilhão Azul me informar sobre a sessão de autógrafos da autora no estante do Grupo Autêntica. Após algumas compras rápidas em estandes completamente vazios, fui direto ao local de distribuição de senhas. E, para minha surpresa, a fila ainda não havia sido formada! A pessoa que vos fala acabou sendo uma das cinco primeiras.

CONEXÃO JOVEM - ENCONTRO COM AUTORES

Por ter sido uma das primeiras, garanti um lugar privilegiado onde somente a mãe da autora (!) estava sentada na minha frente. Ou seja, tive uma visão limpa de toda a entrevista e escutei Leigh sem problema algum.


Durante o bate papo, Leigh Bardugo contou sobre suas inspirações para o livro - desde os cenários até o nome dos personagens. Ela também respondeu questões (sem spoilers) sobre alguns dos acontecimentos da Trilogia Grisha e a adaptação da mesma. E, é claro, Leigh deu algumas informações de como será seu próximo livro "Six of Crows", que será ambientado no mesmo universo. 

Quando questionada sobre o processo criativo e qual conselho daria para os jovens escritores, sua resposta foi algo que teve um certo impacto sobre mim e, acredito eu, sobre muitas outras pessoas ali com as mesmas aspirações:

Termine o primeiro rascunho. Apenas termine. Não será original, não será inovador. Mas termine. Não adianta comparar sua história, seu rascunho, com algo que já passou por inúmeras revisões desde o início. Você só precisa terminar aquele rascunho e acreditar naquilo.

SESSÃO DE AUTÓGRAFOS

Após o bate papo - que durou cerca de duas horas - fomos para o estande do Grupo Autêntica para a sessão de autógrafos. Houve uma pequena confusão no local a respeito da ordem na fila, mas no fim tudo se resolveu e novamente fui uma das primeiras. 

Conversei com Leigh durante alguns minutos e acabei me tornando mais fã, não somente de seu trabalho, mas também da pessoa maravilhosa que ela é. Quando ela estava autografando meu exemplar de "Sol e Tormenta", um marca página de "Cinder", da autora Marissa Meyer, caiu do livro. Leigh perguntou se eu já havia lido, respondi que infelizmente não, o que resultou numa chuva de elogios por parte dela, dizendo que as "As Crônicas Lunares" é uma série realmente boa e que preciso ler o mais rápido possível. Conclusão: vi Leigh Bardugo ter um mini ataque fangirl <3


Algo muito bacana que autora faz é perguntar para os fãs qual é o seu personagem favorito. E, uma vez que obtém a resposta, ela escreve uma das frases do determinado personagem na página do livro. No meu caso, foi o Darkling (clichê, mas é verdade) o que me rendeu "Make Me Your Villain", que é uma de suas falas ainda do primeiro livro, "Sombra e Ossos". Não preciso falar que esse diferencial me deixou toda boba, né?


Não tenho palavras suficientes para descrever essa experiência que acabou sendo a melhor do ano e definitivamente entrou no top 5 da minha vida até o momento. Não dá para definir o quanto é especial e mágico e incrível encontrar um autor que admira e tem como uma de suas inspirações na hora de escrever suas próprias histórias. 

Os livros de Leigh Bardugo foram uma nova perspectiva do que é escrever fantasia para adolescentes. Todos os títulos foram leituras sensacionais; leituras que irão se repetir muito em breve. E, encontrar a autora, foi uma grande surpresa porque, felizmente, tudo deu muito certo naquele sábado. Honestamente, foi mágico.

E é assim que encerro minhas postagens sobre a XVII Bienal Internacional do Livro Rio - com um toque de magia. Espero que tenha tomado a decisão correta ao deixar essa parte para o final porque, para mim, estou encerrando com chave de ouro. Já estou me preparando para 2017 (ou quem sabe, 2016) e torcendo para que seja uma experiência tão maravilhosa quanto essa.


10 comentários on "XVII BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO RIO | PARTE III"
  1. Ei Fer, tudo bem?
    Ah que bom que conseguiu pegar o autógrafo e ainda assim ter sido um momento incrível para você. Como não li nada da autora ainda nem me importei com isso, mas espero ler os livros dela em breve. Ainda não to acreditando que não vi você lá hahahahah Mas ano que vem tem mais.

    Beijos, Gabi
    Reino da Loucura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os livros da Leigh são incríveis, Gabi! É aquele tipo de história que você não sabe se ama mais os personagens ou os cenários, que são descritos perfeitamente. Sim, sou fã e vou elogiar eternamente haha Mês que vem vou postar as resenhas aqui, aí você confere ;)

      E eu estava do seu lado e não sabia se você era você aí não falei nada. Meio idiota, mas ok. Ano que vem a oportunidade vai aparecer de novo! Xx.

      Excluir
  2. Putz,Fê,quanta inveja (do bem U_U)! Não consegui ir pra Bienal (males do Nordeste),mas vejo que a sua foi mó animada. Quem sabe numa proxima a gente se encontra numa fila de autografo dessas :)

    ResponderExcluir
  3. Cada vez que passo em blogs com depoimentos sobre a Bienal do Rio fico com mais vontade de ir :D

    Abraço,
    http://ideiasliterariasb.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Que mega!!! valeu todas as horas de espera hein.
    Nada como conseguir o foto e autografo do autor que você goste muito. Parabéns!!!

    LETRAS COM CAFEÍNA

    ResponderExcluir
  5. Olha eu gostei bastante da sua ida na Bienal e olha que tenho que confessar que ainda não conhecia a autora, mas achei ela muito linda. Ficaram bem na foto em?
    E adorei seu livro autografado. Uma amiga minha levou o meu e a autora escreveu Happy Birthday por causa do meu aniversário e fiquei muito feliz viu. Mas enfim....Espero gostar agora do livro que ainda não li rs
    Mas eu já vi ótimos comentários, por isso é bom a autora me surpreender ! hahaahaha

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/09/resenha-o-mundo-encantado-das-cores.html

    ResponderExcluir
  6. Que lindo você falando do seu encontro com ela <3
    Eu fui na bienal somente um dia e acabei não pegando autógrafo e nem participando de nenhum bate-papo, mas foi bem legal.
    Nunca li os livros dela, mas sempre vejo as pessoas elogiando e tenho uma enorme curiosidade, que espero poder matar em breve.
    Adorei seus posts sobre a bienal viu!?
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Fernanda, pelo visto foi realmente uma experiência muito mágica e você foi muito sortuda no lugar que conseguiu ficar.
    Encontro lindo. ^^

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  8. Olá

    Tenho muita vontade de ir em alguma bienal, onde moro não tem, achei a entrevista bem bacana, a autora é bem simpática, que bom que você aproveitou bem.

    Bjss

    ResponderExcluir
  9. Fernanda, eu peguei 3 ônibus saindo da minha cidade até chegar ao evento (morar longe é uma beleza mesmo rs). Essa noite sonhei com a Bienal, ah eu já estou com saudade. E nesse momento já tendo convencer a minha tia a me levar na do ano que vem mas como vai ser pouco tempo antes dos vestibulares não sei se me permitirão, rs.
    Seu encontro com a Leigh Bardugo foi mágico mesmo, confesso que eu ainda não li nenhum livro dela e preciso

    ResponderExcluir