segunda-feira, 9 de novembro de 2015

TAG | No País das Maravilhas


Há alguns dias encontrei essa TAG aleatoriamente no blog Resenha e Outras Coisas, respondida pela Kamila, que citou livros bem legais. Acabei me empolgando para respondê-la também e compartilhar minha experiência com algumas leituras, recentes ou não. A propósito, todos os títulos que possuírem resenha aqui no Meraki estarão linkados, assim fica mais fácil conferir detalhadamente o que achei. 

"No País das Maravilhas" é um TAG bem curtinha, onde o objetivo é relacionar livros aos personagens criados por Lewis Carroll. Espero que gostem! 

  • Alice: um livro que te fez cair em um mundo completamente diferente.
Ao ler Toda Luz Que Não Podemos Ver não caí num mundo, mas sim numa realidade completamente diferente. Anthony Doerr conseguiu narrar a Segunda Guerra Mundial a partir de dois pontos de vista distintos, mas ambos que emocionam o leitor, fazendo com que a conexão com os protagonistas genuinamente real.

  • Chapeleiro Maluco: um livro com um protagonista louco.
Não, Scott McGrath não é, de fato, louco. Porém, ao longo da narrativa complexa de Marisha Pessl, vamos duvidando da sanidade não somente de nosso protagonista, mas de todos os personagens envolvidos na trama criada para Filme Noturno - inclusive a nossa. 

  • Coelho Branco: um livro que atrasou suas leituras.
Não sabia o que era ressaca literária até finalmente ler O Circo da Noite. Veja bem, esse é um daqueles casos em que temos um livro brilhante nas mãos e acabamos lendo-o no momento errado. Os protagonistas não me agradam, a história não me convenceu tanto... A única coisa boa que tenho a dizer é sobre a narrativa de Erin Morgenstern, que descreve ambientes e sensações muito vívidas. Não foi uma das melhores leituras do ano passado.

  • Gato Risonho: um livro que te fez rir muito.
Dos livros de Rainbow Rowell, Anexos é, de longe, meu favorito. Seu tom leve e divertido ao contar as desventuras de duas amigas de faculdade me lembrou muito Friends, o que é definitivamente é algo positivo. Em algumas situações me vi rolando de rir ou controlando o riso em público. 

  • Lagarta Azul: um livro que fez você refletir.
Descrever o que senti ao ler Sobre Meninos e Lobos foi algo extremamente complicado, pois esse foi um dos livros expressavam o famoso "Não sei o que falar, apenas sentir". A história é incrível, os personagens sensacionais e o desfecho inesperado. Me fez refletir sobre as consequências de nossas ações e de como o nosso passado sempre permanece conosco, seja ele bom ou ruim; faz parte de quem somos.

  • Tweedledee e Tweedledum: dois livros que são parecidos.
Gostaria de citar algumas distopias, pois é sempre muito fácil encontrar semelhanças entre elas. Porém, fico com Querido John e Diário de Uma Paixão, dois livros de Nicholas Sparks. Após finalizar a leitura de um deles o desenrolar de outro se mostrou extremamente previsível. Coincidência? Acho que não.

  • Rainha de Copas: um livro cujo autor adora matar personagens.
Creio que falar em autores que apreciam matar personagens e não citar George RR Martin atualmente é considerado uma espécie de crime. Então escolho As Crônicas de Gelo e Fogo, deixando bem claro que Martin tem motivos para todas as mortes que ocorrem em seus livros, não é algo impulsivo. Eis um autor que mata com justificativa.


Nenhum comentário:

Postar um comentário