sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Quadrinhos de Dezembro


Sabe quando acaba o período na faculdade e você sente aquele peso sair dos seus ombros porque não precisa se comprometer a nenhuma leitura acadêmica pelos próximos meses? Então, foi assim que me senti quando estávamos chegando em meados de Dezembro. Finalmente haveria tempo para me dedicar a livros e quadrinhos! Nada de textos gigantescos em longas viagens de trem e metrô; era hora de conhecer novos personagens, me aventurar em universos alternativos e ler por puro prazer. Isso acabou alavancando minhas leituras, o que me deixou sem saber como organizar as resenhas, que agora acumulavam-se. Por isso peço desculpas pelo imenso atraso, mas deixo vocês, enfim, com os Quadrinhos de Dezembro:

Orange - Volume 1 

As leituras começaram a ganhar ritmo com o primeiro volume de Orange, um mangá em cinco partes que conta a história de Naho, uma garota no colegial que um dia recebe uma carta do futuro - enviada por ela mesma! A partir daí as coisas ficam complicadas quando Naho percebe que a vida de um de seus amigos está em jogo e que cabe a ela mudar os acontecimentos que levaram a sua morte. 

Confesso que me surpreendi. Geralmente busco por animes sanguinolentos que apresentam um toque sobrenatural, ou seja, o mesmo vale para os mangás que leio. Mas a história desses seis amigos mexeu comigo, me encantou de uma forma inesperada e me fez pagar a língua. Então logo parti para o segundo volume. [5 ESTRELAS]

Orange - Volume 2 

É bem comum mangás terminarem com cliffhangers, pois assim o leitor acaba sendo obrigado a ler o seguinte. Logo, eu já esperava. Mas nada, absolutamente nada, me preparou para o final desse volume. Imaginem uma pessoa no trem, tentando controlar as lágrimas (sem obter muito sucesso) e logo depois a surpresa por um desfecho que estava bem explícito, mas ela não percebeu. Essa pessoa é a mesma que vos fala. Não sei explicar muito bem, só sei que Orange acabou se tornando especial para mim pois é capaz de me fazer derramar lágrimas dentro do trem depois de um dia cansativo no trabalho, e não é qualquer história que tem esse poder. [5 ESTRELAS]



Tokyo Ghoul - Volume 3 


Ainda falando a respeito de mangás, dessa vez abordando um que já se tornou figurinha repetida aqui no blog, vou contar como foi uma experiência com o terceiro volume de Tokyo Ghoul. Com uma história que definitivamente se encaixa na minha zona de conforto dita anteriormente, Tokyo é um mangá que vem se mostrando bastante inovador (ao meu ver), com uma narrativa interessante e personagens intrigantes. Como já disse, por ter assistido o anime não tenho muitas surpresas enquanto realizo a leitura, pois já sei quais rumos serão tomados, mas isso nunca prejudicou a experiência. Até agora. Achei esse volume um tanto quanto parado, apesar de toda abordagem ter sido necessária, acabou faltando algo. [4 ESTRELAS]



iZombie - Volume 4 


Finalmente chegou a hora de finalizar uma série de quadrinhos, uma das primeiras que comprei quando decidi me arriscar no universo das HQs. Em seu desfecho, iZombie procura preencher as lacunas que vem apresentando desde seu primeiro volume, porém acaba optando por vias mais simples, não parecendo desenvolver por completo o mistério central da trama. 

Talvez o problema tenha sido comigo, que não me preparei para a leitura (?), mas creio que algumas decisões foram tomadas sem que o momento até a palavra final fosse exposto; uma passagem de tempo como aquela que vemos em capítulos finais de novela. Foi um final agradável, mas deixou a desejar quando comparado ao volume anterior. Pretendo reler toda a série em breve, assim quem sabe minha opinião mude. [3,5 ESTRELAS]


A Saga do Monstro do Pântano - Livro 3

Apesar de admirar o trabalho de Allan Moore, há muito tempo estava adiando a leitura de Monstro do Pântano, por estar sem tempo por conta do estágio e das provas finais. Quando iniciei esse volume, não estava exatamente no clima pois, para mim, a época de fim de ano pede um tipo de história que não é exatamente a que encontramos nessas páginas. Mesmo assim, me obriguei a continuar, o que resultou numa experiência ruim com os primeiros capítulos, que são pouco convincentes. Felizmente, consegui engatar a leitura a partir do quarto capítulo e aproveitar a genialidade descrita naqueles quadrinhos. Não foi o meu favorito, mas definitivamente foi agradável. [4 ESTRELAS]


Nenhum comentário:

Postar um comentário