terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Resenha | Maguns Chase - Rick Riordan


A vida de Magnus Chase nunca foi fácil. Desde a morte da mãe em um acidente misterioso, ele tem vivido nas ruas de Boston, usando de muito jogo de cintura para sobreviver e ficar fora das vistas de policiais e assistentes sociais. Até que um dia ele reencontra tio Randolph – um homem que ele mal conhece e de quem a mãe o mandara manter distância. Randolph é perigoso, mas revela um segredo improvável: Magnus é filho de um deus nórdico.
As lendas vikings são reais. Os deuses de Asgard estão se preparando para a guerra. Trolls, gigantes e outros monstros horripilantes estão se unindo para o Ragnarök, o Juízo Final. Para impedir o fim do mundo Magnus deve empreender uma importante jornada até encontrar uma poderosa arma perdida há mais de mil anos.
Quando um ataque de gigantes do fogo o força a escolher entre a própria segurança e a vida de centenas de inocentes, Magnus toma uma decisão fatal.
Às vezes é necessário morrer para começar uma nova vida...
Com personagens já conhecidos do público, como Annabeth Chase, prima de Magnus, e deuses como Thor e Loki, Rick nos apresenta mais uma aventura surpreendente, repleta de ação e humor.

Com mais uma história mitológica, Rick Riordan nos apresenta seu novo personagem - que dessa vez é de certa forma familiar. Magnus Chase, um menino de 16 anos que vive nas ruas e que perdeu a mãe para lobos. Isso mesmo. Lobos.


Nesse livro somos introduzidos a tão esperada aventura nórdica que Riordan vem prometendo desde a Grécia Antiga.

O livro traz uma abordagem mais parecida com Percy Jackson. Somente um ponto de vista, um herói principal e os nomes dos capítulos que todos tanto adoravam estão de volta. A personalidade de Magnus também remete muito a do antigo semideus. Estamos de volta a era do sarcasmo e das piadas internas.

A espada pulsou, como se estivesse rindo. Imaginei-a dizendo: Uma caneta que vira espada. É a coisa mais idiota que já ouvi.

O livro, ao contrario do que muitos pensam, não é feito somente para quem leu as sagas anteriores, o único requisito é que se entenda o mínimo de Mitologia Nórdica. E claro, que seja mente aberta, porque algumas pequenas alterações serão feitas.

Acompanhamos Magnus em uma incrível aventura através dos mundos, numa tentativa de atrasar ao máximo o tão temido - e aguardado - Ragnarök.




 Dei quatro estrelas porque a escrita é incrível, a história, como sempre, é extremamente envolvente, mas esse ainda é somente o primeiro da saga. Ainda tem muito por vir, muitas curvas e desvios. A história de Magnus não para por aqui.


Nenhum comentário:

Postar um comentário