Top Social

Desafio Literário + "Azul é a Cor Mais Quente"

segunda-feira, 7 de março de 2016

Como todos já sabem, esse ano resolvi que faria parte de algum desafio de leitura, pois queria conhecer novos estilos e autores. Para isso foi criada a Sociedade das Blogueiras Literárias, onde idealizamos o Desafio Literário 2016, o qual consiste em determinar um tema a cada mês e relacioná-lo com um livro. Ainda dá tempo de participar do projeto, então fica aqui o link da página do grupo no facebook, que contém algumas informações adicionais.

Quando precisei pensar num desafio para o mês de Fevereiro, resolvi escolher algo fora da zona de conforto de muitos leitores por aí: uma história em quadrinhos. Adoraria saber que ajudei algumas pessoas a quebrarem aquele velho preconceito toda vez que obras desse tipo são mencionadas. Com isso em mente, além de querer fazer bonito, optei por iniciar a leitura de Azul é a Cor Mais Quente, uma HQ que comprei na última Bienal do Livro e que chamou minha atenção pelo tema abordado.


RESENHA | AZUL É A COR MAIS QUENTE - JULIE MAROH



O livro conta a história de Clementine, uma jovem de 15 anos que descobre o amor ao conhecer Emma, uma garota de cabelos azuis. Através de textos do diário de Clementine, o leitor acompanha o primeiro encontro das duas e caminha entre as descobertas, tristezas e maravilhas que essa relação pode trazer. A novela gráfica foi lançada na França em 2010, já tem diversas versões, incluindo para o inglês, espanhol, alemão, italiano e holandês, e ganhou, em 2011, o Prêmio de Público do Festival Internacional de Angoulême. Em tempos de luta por direitos e de novas questões políticas, a obra surge para mostrar o lado poético e universal do amor, sem apontar regras ou gêneros.

Publicada em 2010, Azul é a Cor Mais Quente é uma história em quadrinhos da autora francesa Julie Maroh que irá contar a vida da jovem Clémentine, através de diários escritos pela própria protagonista. O ponto de partida é o primeiro amor de Clem somado às consequências que o mesmo apresenta ao longo dos anos seguintes. 

A obra de Julie Maroh chegou a meu conhecimento através do filme homônimo lançado cinco anos após a publicação original, logo, é impossível evitar comparações em minhas palavras - peço desculpas por isso. Porém, é necessário ressaltar, para quem já teve oportunidade de conhecer a adaptação cinematográfica, que a história contada ali é muito menos sensível do que aquela que nos é apresentada nessas páginas coloridas em tons frios. Aqui, Clem e Emma desenvolvem algo muito mais sólido, onde ambas se deixam levar por seus instintos (apesar da inicial relutância) e vivem um amor pontuado por altos e baixos - reflexos do processo de amadurecimento. 


Há algum tempo não lia uma obra tão sólida e constante, sem muitos adereços para que a mesma seja um sucesso. Não, não. Aqui a história é concisa, abordando os pontos certos, sem enrolar ou seguir o caminho mais lento para que haja mais "conteúdo" (como aconteceu com o filme). Azul é Cor Mais Quente é uma HQ completamente despretensiosa e devido a isso acerta em cheio, atingindo seu objetivo com louvor e deixando o leitor órfão ao chegar na última página. Além do mais, é uma ótima forma de desconstruir padrões e preconceitos impostos por uma sociedade ignorante que não consegue aceitar a diversidade. [5 ESTRELAS]



Um comentário on "Desafio Literário + "Azul é a Cor Mais Quente""
  1. Fee ainda não consegui participar do desafio. Mas esse mês certamente participarei, a vida tava corrida ao extremo e não rolou, mas esse mês vai hahahaha.
    Eu não me interessei pela leitura ou pelo filme desta obra porque tenho muita dúvida quanto à idade da menina mais velha, pode parecer bobeira, mas, ela parece ser bem mais velha que a guria principal que está no auge dos 15 anos, então preferi me abster, já que tenho pra mim que ela é maior de idade. E eu tbm Não sei como lidar com uma história que eu não me encaixo, em nenhuma das personagens. Mas gostei do teu ponto de vista da montagem social que o livro trouxe. Bjs Tay

    ResponderExcluir