sábado, 18 de junho de 2016

Resenha | Simplesmente Acontece - Cecelia Ahern


O que acontece quando duas pessoas que foram feitas uma para outra simplesmente não conseguem ficar juntas? Todo mundo acha que Rosie e Alex nasceram para ser um casal. Todo mundo menos eles mesmos. Grandes amigos desde criança, eles se separaram na adolescência, quando Alex se mudou com sua família para os Estados Unidos. Os dois não conseguiram mais se encontrar, mas, através dos anos, a amizade foi mantida através de emails e cartas. Mesmo sofrendo com a distância, os dois aprenderam a viver um sem o outro. Só que o destino gosta de se divertir, e já mostrou que a história deles não termina assim, de maneira tão simples.


No segundo semestre do último ano escrevi a respeito de um filme que me cativou de forma completamente inesperada. Tal filme contava a história de dois jovens britânicos que se conheciam desde pequenos e que desenvolveram uma forte amizade ao longo dos anos: Rosie Dunne e Alex Stewart. Agora chegou a vez de falar sobre esses mesmos personagens, mas de uma forma um pouco diferente da anterior. 

[...] não quero ser uma dessas pessoas de quem as pessoas se esquecem com facilidade, que era tão importante naquela época, tão especial, tão influente e tão querida e, mesmo assim, anos depois se torna apenas mais um rostinho vago e uma lembrança distante. Quero que sejamos amigos para sempre, Alex. 

Simplesmente Acontece é narrado na Irlanda, ao contrário de sua adaptação cinematográfica, e cobre um tempo muito maior na vida de Rosie e Alex. Não pretendo fazer comparações, apenas afirmar que são obras que seguem caminhos diferentes até um desfecho relativamente similar. Logo, não existem motivos para dizer que uma é melhor ou pior. 

A escrita de Cecelia Ahern, a qual há muito tempo estava ansiosa por conhecer, é bastante versátil, se encaixando nos diversos formatos de mensagens trocadas entre os personagens ao decorrer da trama. Sim, o livro não apresenta uma narrativa comum: a autora opta por cartas, mensagens de texto, emails, cartões etc. para contar a história dos dois amigos que se amam mas são teimosos demais para fazer dar certo. 

Isso acaba incomodando por volta da terceira parte do livro (são cinco, ao todo), pois o leitor consegue perceber que algumas atitudes imaturas já não deveriam ter tanto espaço, uma vez que passaram-se anos desde que um oceano separou Alex e Rosie. Ficamos esperando que os dois se entendam, que falem a verdade, que parem de fugir, mas infelizmente isso demora muito até acontecer. 


Em suma, é uma obra extremamente adorável e jovial (o que explica o sentimento passado pelo filme) que poderia ter sido melhor aproveitada, por assim dizer. Muito tempo se passa e os mesmos erros são cometidos, como se a lição - o aprendizado - final englobasse todos os tropeços anteriores. Acredito que Ahern se perdeu para se encontrar, pois felizmente o desfecho faz com que alguns de seus próprios tropeços sejam esquecidos.



Um comentário:

  1. Oie Fernanda, tudo bom? Eu adorei tua resenha! Sou uma fã da autora, mas ainda não li esse livro! Que chato isso de os personagens cometerem sempre os mesmos erros, fica meio repetitivo, não é? Bem, espero ter a oportunidade de vir a realizar a leitura logo, e gostar. Um da Cecelia que indico fortemente é Como Se Apaixonar; uma história lindíssima.
    Beijos!
    https://umaleitoravoraz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir