Top Social

Review | Caça Fantasmas (2016)

sexta-feira, 29 de julho de 2016

No texto passado falei do passado e das picaretagens envolvidas na produção disso. Agora falarei do filme e seus méritos. Não são muitos, adianto aqui.

Baseado em tudo que foi dito antes e eu acompanhei boa parte disso em tempo real, tudo indicava que o filme seria um desastre. Não é esse desastre todo, mas nem de longe é bom a ponto de encher a boa e falar enfaticamente.

Ainda bem que anotei umas coisas, pois passaram-se dois dias e esqueci bastante, sinal que não é muito memorável. Ainda nos trailers apostei que o ponto alto do filme poderia ser Kate McKinnon, que sempre foi bem em Saturday Night Live. Acertei nessa, ela carrega o filmenas costas. Até vale pensar que se no futuro fizerem um genderbend com Deadpool (existe uma Lady Deadpool nas HQs, mas vocês entenderam), ela deve ser considerada pro papel. Ela só não salva algumas coisas no roteiro, mas ali não tinha muito jeito.

As outras 3, Kristen Wiig e um pedaço de cartolina dariam no mesmo, sem falar no romance que fazem pra ela, terrível. Melissa McCarthy não foi tão ruim levando-se em conta que os únicos momentos memoráveis foram dela reclamando (por vezes saindo do foco dos problemas) que não vinha comida o bastante pra ela, ou seja, piada de gorda, no filme do suposto empoderamento. Faz de conta que ninguém viu. Leslie Jones. Ela é esforçada, ela tenta, mas acaba sendo o esteriótipo que vemos em tantos filmes, ou seja, metade da culpa é do roteiro, entretanto, outra pessoa poderia ter feito melhor. Há alguma química entre elas, mas nada que te prenda tanto.

Chris Hemsworth faz o papel de homem-objeto/alívio cômico do filme. Entendo porque o papel existe num genderbend desses, achei justo quando vi os trailers. O resultado final foi terrível, existe um certo limite de piadas com burrice e exageraram tanto na burrice dele que ficou o personagem mais irritante desde Junior de Eu, A Patroa e As Crianças. Forçam demais a piada, Hemsworth melhora quando possuído pelo vilão do filme.

O vilão, Rowan, é absolutamente ridículo, em especial no que diz respeito a sua motivação. Só melhora de quando morre até o começo da luta final. Acho relevante ressaltar que no filme inteiro não havia um personagem masculino que não fosse burro, covarde ou desonesto de alguma forma, uma parte significativa dos reviews comentam sobre isso. Há um sentimento anti-homens no filme, o que talvez agrade a geração atual, que bate no peito pra exalar misandria e lacrar(hoje em dia todo mundo conhece alguém assim). Mas no geral isso chama a atenção de forma negativa para a qualidade do filme, especialmente se o mesmo é alçado como um exemplo. As cenas que foram regravadas para “responder” os comentários da internet são pífias. Ou a parte da cena pós-créditos onde aparece Sigourney Weaver e uma determinada frase que é dita.

O filme tem como sua primeira grande piada uma sobre gases vaginais, pegando assim uma das piores coisas dos filmes de Adam Sandler, Eddie Murphy, irmãos Wayans e descendo a um novo nível. Isso já dá uma noção do roteiro. Além de algumas inconsistências no mesmo. Os fantasmas ficaram algo saído do filme do Scooby Doo ou Mansão Mal Assombrada (aquele ruim de 2003 do Eddie Murphy), algo genérico com neon em cima pra desviar a atenção. As exceções foram o primeiro, Stay Puft em um retorno digno e o fantasma final (que apesar de ser o fantasma do logo, lembra Oogie Boogie, de O Estranho Mundo de Jack).

As aparições do elenco original são basicamente pra que o público mais velho não reclame tanto ou pense em sair da sala antes do fim, basicamente aparecem por 30 segundos e mandam um bordão do filme original (ou viram um busto que aparece por 3 segundos numa cena qualquer, lamento por Harold Ramis).

Em suma, o filme tinha potencial pra ser muito mais do que foi. Eu vir aqui e falar que foi melhor do que esperava não vale nada, expectativas estavam bem baixas mesmo. A nota é 5/10, mas pode ser substituída pela imagem postada abaixo, que resume os sentimentos de quem assistiu o filme. Na verdade, quanto mais penso no filme, mais a nota cai, quando saí do cinema e fiz minhas anotações era um 6.


“Não se atira nas bolas de alguém, Butters.” CARTMAN, Eric


Post Comment
Postar um comentário