segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Resenha | Cidade das Almas Perdidas - Cassandra Clare

Quando Jace e Clary voltam a se encontrar, Clary fica horrorizada ao descobrir que a magia do demônio Lilith ligou Jace ao perverso Sebastian, e que Jace tornou-se um servo do mal. A Clave decide destruir Sebastian, mas não há nenhuma maneira de matar um sem destruir o outro. Mas Clary e seus amigos irão tentar mesmo assim. Ela está disposta a fazer qualquer coisa para salvar Jace, mas ela pode ainda confiar nele? Ou ele está realmente perdido?
Para piorar, ninguém parece acreditar que existe uma forma de quebrar o feitiço e libertar Jace. Mas Clary e seus amigos vão tentar mesmo assim. Ela está disposta a fazer qualquer coisa para salvar Jace. Mas será que ainda pode confiar nele? O amor dos dois sobreviverá a mais esse teste? Ou tudo está realmente perdido?
Estamos quase no fim dessa saga e com o inevitável chegando, ainda tem reviravoltas acontecendo. No quinto livro de Instrumentos Mortais, Cassandra Clare mostra que é possível nos deixar com um gostinho de quero mais. Dessa vez vou tentar deixar meus problemas com Clace de lado, até porque já ficou bem obvio que eles não são meu ship preferido, e vou focar em outros aspectos. 

Logo que o livro começa, somos apresentados a mais um desafio - nunca se tem calmo e sossego no Mundo das Sombras - que ameaça os Caçadores e Membros do Submundo. A situação se tornou ruim o suficiente para necessitar a junção de partes dos dois grupos. No ponto de Cidade das Almas Perdidas, ainda é como uma base pro que vou chamar de “batalha final”, como se o terreno estivesse sendo preparado para o Grand Finale. 

Como acontece em muitos momentos de reviravolta, temos o retorno de alguns personagens importantes. Um deles, que descobrimos a volta no final do livro anterior, é o responsável por toda confusão. Seu lado na batalha fica um pouco confuso, não se sabe se ele está agindo para o bem maior ou com um objetivo pessoal pela maioria do enredo. 

Junto com essa grande duvida, podemos ver ao decorrer da história lados diferentes dos personagens que já conhecemos tão bem. Um dos meus momentos preferidos foi ver um personagem que eu adoro tanto e considero como sendo um dos mais corajosos e fortes mostrando um lado mais frágil devido à situação. É interessante porque contrasta com toda crença de que a força está ligada ao não sentir. 

Ainda um pouco ligado as diferentes faces, podemos ver a evolução de cada um. Os Caçadores se permitem serem humanos muito mais e aceitam isso, o que permite que a relação entre eles e os outros personagens do Submundo se torna muito mais interessante. Também permite que partes de suas histórias pessoais que ainda não haviam sido divididas se tornem publicas, não só para nós leitores como para os outros personagens. 


Minha nota para esse volume foi 4 estrelas. O livro terminou com um lindo cliffhanger e, pela primeira vez nessa saga, me deixou ansiosa para saber o que vem a seguir e como essa história irá terminar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário