Top Social

Review | Animais Fantásticos e Onde Habitam

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

O excêntrico magizoologista Newt Scamander (Eddie Redmayne) chega à cidade de Nova York levando com muito zelo sua preciosa maleta, um objeto mágico onde ele carrega fantásticos animais do mundo da magia que coletou durante as suas viagens. Em meio a comunidade bruxa norte-america, que teme muito mais a exposição aos trouxas do que os ingleses, Newt precisará usar todas suas habilidades e conhecimentos para capturar uma variedade de criaturas que acabam fugindo.

Desde sua estreia, Animais Fantásticos e Onde Habitam tem permanecido em primeiro lugar nas bilheterias mundiais. Considerado um sucesso instantâneo antes mesmo de chegar à tela grande, o filme cumpre o prometido e reascende a chama da magia criada por JK Rowling, que não tomava forma desde 2011, quando Harry Potter chegou ao fim com As Relíquias da Morte – Parte II. Apesar de Hedwig’s Theme dar inicio as duas horas do longa é preciso desvencilhar-se do espectro do bruxo órfão de cicatriz na testa, uma vez que aqui será contada a história de Newt Scamander (Eddie Redmayne), um atrapalhado magizoologista de bom coração. Nem mesmo o plano de fundo é similar: ao invés da tão conhecida estrutura do castelo de Hogwarts temos uma Nova York nos anos 1920 vivendo o período pós Primeira Guerra Mundial.

Nesse contexto histórico o espectador é apresentado a uma nova sociedade bruxa, com costumes bem distintos daqueles já conhecidos e regras muito mais severas quanto a interação entre bruxos e trouxas, aqui chamados de “não-maj”. Entretanto, grande parte da trama é situada no universo não mágico, já que Newt precisa recuperar os animais que escaparam de sua mala e estão soltos na cidade que nunca dorme. 


Muito bem construído, o cenário de Animais Fantásticos e Onde Habitam funciona em harmonia com seus personagens, especialmente com Newt e Jacob Kowalski (Dan Floger), o “não-maj” que atua como alívio cômico, assim como Rony na primeira franquia de JK Rowling. As piadas do personagem ocorrem num timing excelente, bem como as cenas em que falas não são necessárias – bastava uma expressão mais caricata de Fogler para que o cinema explodisse em risadas. Porém não vemos só momentos felizes durante o filme. Com a ameaça do Obscurus, uma criatura inédita, a trama desliza para cenas tensas em que o terror se manifesta prendendo a respiração de todos. Mas além de uma ameaça mágica, há o crescente indício de uma caça as bruxas, liderada por Mary Lou Barebone (Samantha Morton), personagem que, infelizmente, cai em clichês e é pouco explorada, especialmente quando trata-se de sua relação com o filho Credence (Ezra Miller), um jovem apático e influenciável, que poderia ter sido melhor aproveitado, tal como Percival Graves (Colin Farrell).

Em contrapartida, Eddie Redmayne dá vida a Newt Scamander de forma louvável, não deixando margem para comparações com Harry Potter, seu antecessor no cinema quando falamos de JK Rowling. É possível ver a dedicação do ator ao papel de magizoologista, uma vez ele que consegue transmitir emoções e verdadeiramente evidenciar sua paixão para com as criaturas mágicas. Já as irmãs Tina (Katherine Waterston) e Queenie Goldstein (Alison Sudol), que funcionam como uma espécie de canal de comunicação entre Newt e o universo mágico americano, conquistam os fãs aos poucos, através de pequenas provações de seu carisma e humor. 

Em suma, Animais Fantásticos e Onde Habitam é um filme que faz jus a seu título, tendo em vista que os personagens não possuem o mesmo brilho que as criaturas contidas na mala de Newt Scamander. Efeitos e mitologias se misturam sob a direção de David Yates – responsável pelo encerramento da franquia de Harry Potter - de forma a dar vida a um universo completamente novo aos fãs. Além disso, a conexão que é criada afim de unir as duas franquias é extremamente interessante, tendo em vista o tema nunca antes explorado. E creio que, apesar de controversa, a escolha de Johnny Depp para o papel de Gellert Grindelwald só trará benefícios a trama, basta ver se a previsão se concretizará ao decorrer dos próximos quatro longas.


Post Comment
Postar um comentário