segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Resenha | The Kiss of Deception - Mary E. Pearson

Tudo parecia perfeito, um verdadeiro conto de fadas menos para a protagonista dessa história. Morrighan é um reino imerso em tradições, histórias e deveres, e a Primeira Filha da Casa Real, uma garota de 17 anos chamada Lia, decidiu fugir de um casamento arranjado que supostamente selaria a paz entre dois reinos através de uma aliança política. O jovem príncipe escolhido se vê então obrigado a atravessar o continente para encontrá-la a qualquer custo. Mas essa se torna também a missão de um temido assassino. Quem a encontrará primeiro?

O romance de Mary E. Pearson evoca culturas do nosso mundo e as transpõe para a história de forma magnífica. Através de uma escrita apaixonante e uma convincente narrativa, o primeiro volume das Crônicas de Amor e Ódio é capaz de mudar a nossa concepção entre o bem e o mal e nos fazer repensar todos os estereótipos aos quais estamos condicionados. É um livro sobre a importância da autodescoberta, do amor, e como ele pode nos enganar. Às vezes, nossas mais belas lembranças são histórias distorcidas pelo tempo.

Novo ano, novos autores. Foi com esse pensamento (objetivo, na verdade) que iniciei minhas leituras do mês de janeiro, dando a oportunidade de ser cativada pela narrativa de Mary E. Pearson, autora que nunca havia lido anteriormente. Com pouquíssimas expectativas, além de conhecimento da história na qual iria mergulhar, abri as primeiras páginas de The Kiss of Deception e me deixei encantar pelo Reino de Morrighan.

Pode-se levar anos para moldar um sonho, mas é preciso apenas uma fração de segundo para despedaçá-lo.

No primeiro volume das Crônicas de Amor e Ódio somos apresentados a personagens interessantes, inteligentes, cativantes e falhos, ou seja, que estão suscetíveis a cometer erros e aprender com os mesmos. Lia, a indômita princesa em fuga, nos guia por seu mundo com tamanha graciosidade que acaba por se tornar impossível não sentir-se deslumbrado por sua personalidade forte e compaixão, características que são acentuadas com o decorrer da trama. 

Quando Lia e Pauline, sua única amiga, rumam a Terravin e passam a trabalhar na estalagem de Berdi, juntamente com Gwyneth, outros personagens passam a chamar a atenção do leitor, são eles Kaden e Rafe. Ambos os rapazes aparentam ter mais idade, passando-se facilmente por um comerciante ou um fazendeiro, mas suas ações dizem mais do que palavras e é fácil perceber que muitos segredos estão sendo escondidos. Kaden e Rafe protagonizam cenas intrigantes, sempre presentes quando Lia menos espera. 

Tal participação frequente dos personagens pode acabar incomodando o leitor, pois o timing, em determinados momentos, é certo demais. Felizmente Mary E. Pearson faz a história fluir de maneira constante e convincente, sem cansar o leitor, sabendo a hora certa de inserir um diálogo rápido e revelador. 

Estava claro que ele não me odiava, e sim a ideia de quem eu era, assim como eu odiava a ideia de quem ele era: isso fazia com que eu pensasse como as coisas poderiam ter sido se nós dois tivéssemos nascido em Terravin.

Um dos pontos mais altos de The Kiss of Deception é o inimigo invisível que ronda todos os personagens, a guerra. E mais interessante é a forma como a ocorrência de um conflito gera impacto em cada um dos protagonistas, tendo em vista que cada um pertence a um reino - Morrighan, Dalbreck e Venda. Suas perspectivas frente a um conflito (dessa vez maior do que qualquer um deles já presenciou) fica mais forte conforme o leitor se aproxima das últimas páginas, algo que pode, então, dar um vislumbre do que será visto no próximo volume. 

É gratificante ler a partir do ponto de vista de uma protagonista forte e independente, capaz de lutar por aquilo que acredita, colocando-se em primeiro lugar quando nenhuma outra pessoa o faria. Arabella Celestine Idris Jezelia é muito mais do que uma simples princesa destinada a ser salva; Lia está destinada a salvar seu reino. Se houver romance no caminho, será apenas um bônus que, graças a incrível habilidade de Mary E. Pearson, é extremamente bem vindo ao leitor.


DESAFIO LITERÁRIO! 
The Kiss of Deception conta com pouco mais de quatrocentas e dez páginas, o que torna-o apto a concluir o primeiro desafio, que nesse caso é o de número nove, que indica a leitura de um livro com mais de quatrocentas páginas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário