segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Review | Moana: Um Mar de Aventuras


Moana Waialiki é uma corajosa jovem, filha do chefe de uma tribo na Oceania, vinda de uma longa linhagem de navegadores. Querendo descobrir mais sobre seu passado e ajudar a família, ela resolve partir em busca de seus ancestrais, habitantes de uma ilha mítica que ninguém sabe onde é. Acompanhada pelo lendário semideus Maui, Moana começa sua jornada em mar aberto, onde enfrenta terríveis criaturas marinhas e descobre histórias do submundo.
É de conhecimento geral que a Disney sempre será parte da minha vida e no momento que foi anunciado outra princesa meu coração começou a palpitar. Tenho estado num nível de ansiedade pra assistir esse filme que não consigo nem explicar, então hoje, quando a oportunidade se apresentou, não perdi a chance e fui – linda, adulta e responsável – pra uma sessão cheia de crianças e pais arrastados.

Moana (Auliʻi Cravalho) possui uma história completamente diferente de todas as outras princesas que a Disney já nos apresentou. Seu destino começa a ser traçado ainda criança, quando o "Mar" a escolhe para ser a salvadora de sua ilha. Essa escolha, porém, fica em segundo plano até que Moana precisa se tornar a chefe de sua aldeia. Com sua avó como principal fonte de força e confiança, ela decide seguir seu destino, mesmo sendo contra a vontade de seu pai. É ai que conhecemos Maui (The Rock), o semideus que é basicamente responsável por toda confusão que Moana precisa consertar.

Como uma pessoa que cresceu assistindo as princesas da Disney e teve Mulan como o mais próximo de ‘ícone independente”, posso dizer que fiquei extremamente feliz ao entrar no cinema e ver tantas crianças numa sala para conhecer a primeira princesa que não tem um príncipe - estou falando exclusivamente da Disney aqui, já que Valente também não tem príncipe, mas é parceria com a Pixar. Não só isso, quando Moana foi anunciado, sua proposta era de ser a história de uma menina encontrando seu próprio propósito no mundo e foi isso que eles entregaram. Durante todo filme vemos essa jovem tentar entender o por que de ter sido a escolhida, tentando descobrir meios de alcançar seu objetivo, procurando coragem para seguir o seu caminho e mostrando que se você luta por algo que acredita tudo é possível. Essa mensagem é de uma importância que não dá pra mensurar e é passada não somente através de diálogos, mas através da trilha sonora.

Estamos falando de Disney, então é impossível não falar de música. A trilha sonora dessa animação é feita por Lin-Manuel Miranda, Mark Mancina e Opetaia Foa'i. Não vou mentir pra vocês e dizer que conheço todos os três nomes, mas o que eu conheço tenho um respeito muito grande. Lin-Manuel Miranda só é o responsável pelo musical Hamilton da Broadway. Só de saber que existem músicas nessa animação que saíram da cabeça de um ator da Broadway já me dá vontade de baixar o álbum. 

Assisti ao filme em português – porque desenho é a única coisa que consigo assistir dublado sem fazer birra -, então todas as músicas também foram traduzidas. Pela primeira vez, em muito tempo, realmente consegui apreciar músicas da Disney na versão brasileira. A letra da canção principal, Saber Quem Sou, está na minha cabeça tocando em replay desde a hora que sai do cinema. Faz muito tempo que isso não me acontece. A trilha sonora, em geral, do filme me atingiu num nível inexplicável.

Pra mim foi impossível não ficar mexida com a história e, sim, caíram algumas – muitas – lágrimas durantes diversos momentos do filme. Acho que pra mim, como fã de carteirinha de qualquer coisa que a Disney solte, nenhum filme foi tão significativo – pelo menos não nos últimos anos – quanto esse. Sei que muita gente considerou Frozen como o filme que “trouxe” a Disney de volta pras animações, mas Moana simplesmente em seus primeiros momentos acabou com qualquer coisa recente que a Disney tenha feito.

Quando sai do cinema, comentei com a Biah que tem duas coisas que não posso esperar pra acontecerem com esse filme no futuro. Uma delas é uma continuação, que não sei sobre o que seria e tenho um pouco de medo de como pode ser feita, mas sei que quero ver esses personagens novamente. A segunda é a versão live-action, que espero que a Disney continue fazendo por um tempo, e dentro dessa esperança reside a de que seja com o elenco que fez as vozes originais. A única certeza que tenho é a de que ter esse filme como o meu primeiro de 2017 me deu uma esperança pro resto do ano, não só no quesito cinema. Moana me deu um pouquinho de coragem e perseverança pra ir atrás dos meus objetivos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário