Top Social

RESENHA | MIL PEDAÇOS DE VOCÊ - CLAUDIA GRAY

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Marguerite Caine cresceu cercada por teorias científicas revolucionárias graças aos pais, dois físicos brilhantes. Mas nada chega aos pés da mais recente invenção de sua mãe – um aparelho chamado Firebird, que permite que as pessoas alcancem dimensões paralelas.
Quando o pai de Marguerite é assassinado, todas as evidências apontam para a mesma pessoa: Paul, o brilhante e enigmático pupilo dos professores. Antes de ser preso, ele escapa para outra realidade, fechando o ciclo do que parece ser o crime perfeito. Paul, no entanto, não considerou um fator fundamental: Marguerite. A filha do renomado cientista Henry Caine não sabe se é capaz de matar, mas, para vingar a morte de seu pai, está disposta a descobrir.
Mil Pedaços de Você foi um livro que chamou minha atenção quase que imediatamente e não hesitei em compra-lo. Já conhecemos Marguerite no começo de sua jornada para encontrar Paul, o assassino de seu pai, em uma dimensão alternativa.

Durante os primeiros parágrafos a história não faz muito sentido, pois começa meio sem explicação. Na verdade, acho que esse foi um começo muito inteligente porque o livro já começa com adrenalina e não te entrega todas as explicações logo de cara. Pra você entender o que Marguerite está fazendo em uma dimensão que não é sua, precisa passar um pouco da primeira página e para entender a história precisa avançar com ela na narrativa. O interessante é que nem mesmo nossa personagem principal entende muito bem essa aventura que entrou, então a medida que ela vai entrando em outros mundos e começando a compreender um pouco mais o que esta acontecendo as coisas vão ficando mais claras para nós também.

A cada possibilidade, a cada vez que o destino decide algo jogando uma moeda, o universo divide as dimensões de novo, e de novo, criando cada vez mais camadas de realidade. E assim sucessivamente, ad infinitum.

Nossos personagens base são Marguerite, filha de dois físicos criadores do aparelho que permite a viagem entre dimensões, Theo, um dos estagiários de seus pais e seu companheiro de aventura, e Paul, o garoto que ela tanto se identificava e agora só busca se vingar. Os três são igualmente bem desenvolvidos, o que é bem difícil para um livro feito em primeira pessoa, e também possuem diferentes desenvolvimentos em cada dimensão.

Para cada mundo que eles pulam, ocupam o corpo e a vida de suas “replicas” daquele lugar correndo o risco de, se não forem constantemente lembrados de quem realmente são, se perderem em suas novas personalidades. Essa é uma parte bem interessante da narrativa, porque a autora fez questão de mostrar que cada versão dos personagens é diferente da outra. Todas possuem algumas características em comum, mas cada um tem sua própria individualidade. Basicamente, uma mensagem de como o ambiente e as pessoas que nos cercam afetam nossas personalidades.

O livro foi extremamente fluído e o li em apenas dois dias porque não consegui colocar de lado. Minha vontade ao terminar foi de imediatamente comprar o resto da trilogia, que foi o que eu realmente fiz, então vocês podem aguardar pelas resenhas dos próximos livros em algum futuro próximo.



Essa leitura foi realmente satisfatória, mas vocês me conhecem, eu nunca dou cinco estrelas pro primeiro livro de uma saga. Por esse motivo minha nota foi quatro, somente porque sei que a história não acabou e estou ansiosa para ver em que mundo Marguerite vai parar nas próximas páginas de sua história.


Post Comment
Postar um comentário